Slider

Vídeos

Postagem em destaque

Constelação familiar sistêmica: Um nome estranho, mas que pode mudar a sua vida.

O que é essa terapia que até os tribunais de justiça estão aplicando?  Sabe todas aquelas vezes em que vemos geração após geração repet...

Polícia

Politica

Educação

Esportes

Economia

Entretenimento

INVENTÁRIO DA OFERTA TURÍSTICA DE BODOCÓ-CONFIRA




» » Marin aceita extradição para EUA. Defesa explica: redução de tempo de prisão


José Maria Marin presidente da CBFO ex-presidente da CBF José Maria Marin concordou nesta quarta-feira com sua extradição para os Estados Unidos. Preso desde o dia 27 de maio em Zurique, na Suíça, a informação foi confirmada em comunicado da Justiça Federal do país (FOJ, na sigla em inglês). As autoridades suíças informam que já aprovaram a extradição em processo simplificado, e ressaltam que, por motivos de segurança e privacidade, não darão qualquer informação sobre local e horário da entrega de Marin para as autoridades americanas. O pedido oficial de extradição foi emitido pelos Estados Unidos no dia 1 de julho.
Ao blog, a defesa de Marin afirmou que o brasileiro "quer colaborar com a Justiça e provar a sua inocência nos Estados Unidos". A mudança de atitude de Marin se deu para reduzir o seu tempo de prisão em Zurique. A estimativa da defesa é de que sua permanência na prisão suíça seria de mais "quatro ou cinco meses" se seguisse apelando contra a extradição. A idade avançada e o estado de saúde do dirigente pesaram na decisão.

Marin foi preso dois dias antes da última eleição presidencial da Fifa com outros seis dirigentes ligados à entidade. Era o único que ainda não tinha uma posição da FOJ divulgada. Além dele, somente Jeffrey Webb, ex-presidente da Concacaf e vice-presidente da Fifa, havia aceitado a extradição. A Suíça entregou Webb para os Estados Unidos no dia 15 de julho. Em solo americano, ele fez um acordo de US$ 10 milhões (cerca de R$ 40 milhões) para responder à primeira fase do processo em liberdade, mas sob supervisão constante do FBI. Para garantir o valor, entregou carros, relógios, propriedades da família e até joias da esposa. O brasileiro pode tentar acordo semelhante, que também foi obtido por Alejando Burzaco, da Torneos y Competencias - mas o argentino pagou o dobro de Webb, US$ 20 milhões (cerca de R$ 80 milhões). Marin possui um apartamento em Nova York, onde se desenrola o processo.

O comunicado da FOJ informa que Marin é acusado de receber propinas milionárias de empresas de marketing esportivo em conexão com a venda de direitos para as Copas América de 2015, 2016, 2019 e 2023, e pela Copa do Brasil entre 2013 e 2022. Ele supostamente dividiu essas propinas com outros dirigentes. O texto da FOJ diz ainda que suas ações teriam resultado em fundos sendo desviados de duas confederações continentais da Fifa, bem como da CBF.

Inicialmente, o brasileiro se opôs à extradição, mas acabou concordando em uma audiência nesta quarta-feira. A FOJ não analisou o mérito das acusações contra Marin, somente se seriam também passíveis de punição pela lei suíça. Cinco dirigentes presos no dia 27 de maio continuam a contestar o pedido de extradição. Todos anunciaram que apelarão contra a decisão. A corte suíça confirma já ter recebido os recursos de Eugenio Figueiredo e Rafael Esquivel.

Fonte: Globo Esporte

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe um comentário