Slider

Vídeos

Postagem em destaque

Constelação familiar sistêmica: Um nome estranho, mas que pode mudar a sua vida.

O que é essa terapia que até os tribunais de justiça estão aplicando?  Sabe todas aquelas vezes em que vemos geração após geração repet...

Polícia

Politica

Educação

Esportes

Economia

Entretenimento

INVENTÁRIO DA OFERTA TURÍSTICA DE BODOCÓ-CONFIRA




» » » » » » » Teori manda tirar de inquérito da Lava Jato citação a Mendonça Filho

Procurador-geral Rodrigo Janot informou ao STF que inclusão foi indevida.Ele não identificou indícios para investigar atual ministro da Educação.

foto: reprodução
O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendeu a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e determinou nesta sexta-feira (1º) a retirada de menções ao ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM-PE), de um dos inquéritos da Operação Lava Jato.
Há duas semanas, foi tornado público no sistema do STF um documento no qual Janot apontava suspeitas de pagamento de propina de R$ 100 mil, em 2014, para a campanha à reeleição de Mendonça Filho para a Câmara.
Janot informou ao ministro Teori que não era o autor daquele documento, que não estava com sua rubrica, e que a peça foi juntada indevidamente no inquérito do ex-ministro da Secretaria de Comunicação Social Edinho Silva (PT), que teve o processo remetido para a Justiça Federal do Paraná depois que deixou o governo federal e perdeu o foro privilegiado.
O procurador explicou ao Supremo que o documento que entrou no sistema não tinha "integralidade de correspondência" com o que foi protocolado.
"Ao se confrontar as peças a serem desentranhadas com os articulados, percebe-se claramente a referência, naquela, a fatos possivelmente ilícitos e não constantes das peças assinadas pelo procurador."
Segundo Janot, a manutenção de documento "em descompasso com a veracidade" no processo acarreta "tumulto à investigação" e "prejuízo à imagem e defesa do parlamentar citado nas peças apócrifas".
A TV Globo apurou que a peça se tratava de uma minuta (documento em fase de preparação) e que, depois concluída, Janot não viu indícios mínimos para investigar Mendonça. No entanto, a minuta foi juntada indevidamente no sistema oficial do Supremo por uma autoridade da investigação.
Em razão das explicações do procurador, o ministro Teori determinou a retirada do documento que não é oficial do inquérito.
A peça afirmava que, em meio à investigação de Edinho Silva, foi identificada uma mensagem no celular do ex-diretor financeiro da construtora UTC Walmir Pinheiro Santana, um dos delatores da Lava Jato, que fazia menção a Mendonça Filho.
Segundo o documento, a imagem arquivada no celular de Pinheiro se referia a uma doação de R$ 100 mil da UTC para o atual ministro da Educação. À época, Mendonça Filho era deputado federal.
A peça, que tinha o nome de Rodrigo Janot mas não estava assinada, afirmava que "diante de elementos indiciários de possível pagamento de propina para a campanha" de Mendonça Filho, a Corte teria competência para investigar a suspeita de prática criminal.
Mariana OliveiraDa TV Globo, em Brasília

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe um comentário