Slider

Vídeos

Postagem em destaque

Grupo de amigos realizam mais um Projeto Natal Criança Feliz em Bodocó-PE

O Projeto Natal Criança Feliz está em seu sexto ano e o seu principal objetivo é tornar um Natal mais feliz para as crianças da zona ru...

Polícia

Politica

Educação

Esportes

Economia

Entretenimento

INVENTÁRIO DA OFERTA TURÍSTICA DE BODOCÓ-CONFIRA




» » » » » No sufoco, Real Madrid se torna o maior campeão mundial

O resultado final, 4 x 2 contra o Kashima Antlers, não reflete exatamente como foi a decisão da Copa do Mundo de Clubes da Fifa. O Real Madrid passou um sufoco desnecessário e precisou do talento de Benzema e Cristiano Ronaldo para se tornar o maior campeão mundial de todos os tempos.

O começo do jogo indicava que seria fácil. Quando aos nove minutos um time como o Real Madrid já está vencendo um confronto desses, espera-se uma goleada pela frente. Mas o que se viu foi um jogo morno, com um time administrando a vitória e sem se expor além do necessário, e outro que realmente estava buscando o jogo, querendo a todo custo jogar de igual pra igual e mostrar que, sim, era possível repetir a história de Davi e Golias.

E foi isso que começou a acontecer no fim do primeiro tempo, quando Shibasaki empatou a partida após falha de Varane. Veio a segunda etapa e o mesmo camisa 10 japonês virou o jogo, batendo forte de fora da área. O Kashima, então, mostrou personalidade e soube controlar as ações, se mostrando um adversário digno do resultado que vinha conquistando.

Mas não durou tanto, já que aos 14 minutos o mesmo Shibasaki puxou Lucas Vázquez dentro da área e Yamamoto chegou atropelando o meia atacante madridista. Cristiano Ronaldo foi para a cobrança e fez o seu segundo gol na competição, igualando-se a Benzema. Mas o Real Madrid parecia que ainda não havia se dado conta de que se não corresse atrás, o título não aconteceria. E os japoneses seguiam lá, trabalhando e oferecendo perigo ao time que era considerado amplamente favorito até a hora do apito inicial.

Veio a prorrogação e a preocupação só aumentava. Porém, a atenção do time estava maior e era perceptível a mudança de postura, já que os atletas perceberam que algo realmente podia dar errado. E foi aí que surgiu a estrela de Cristiano Ronaldo. O português, que até então vinha tendo uma atuação apenas na média, como o restante do time, recebeu um passe fantástico de Benzema, que o deixou na cara do gol, e bateu na saída de Sogahata. Poucos minutos depois o gajo novamente ele estava lá, aproveitando um chute torto de Toni Kroos e bateu forte de esquerda, sem chances para o goleiro japonês.
Aí sim o Real Madrid acalmou a partida e mostrou seu domínio, fazendo com que o Kashima corresse atrás da bola. Foi o suficiente para gastar o tempo até o apito final e comemorar a conquista de mais um título. O time merengue, que possuía quatro conquistas mundiais empatado com o Milan (com a unificação da antiga Copa Intercontinental com a Copa do Mundo de Clubes da Fifa), tornou-se, então, a equipe com o maior número de conquistas mundiais.

Mais uma vez, uma situação que beirou o desespero sem a menor necessidade. O Real Madrid não precisava ter se exposto dessa forma e podia ter liquidado a fatura em pouco tempo. Mas, mesmo isso não tendo acontecido, os jogadores mostraram que têm garra o bastante para lutar até o final. Mas a torcida gostaria de não sofrer tanto, como vem acontecendo.

Por 
Rodrigo Rebelo, do Conexão Merengue

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe um comentário