Slider

Vídeos

Postagem em destaque

Grupo de amigos realizam mais um Projeto Natal Criança Feliz em Bodocó-PE

O Projeto Natal Criança Feliz está em seu sexto ano e o seu principal objetivo é tornar um Natal mais feliz para as crianças da zona ru...

Polícia

Politica

Educação

Esportes

Economia

Entretenimento

INVENTÁRIO DA OFERTA TURÍSTICA DE BODOCÓ-CONFIRA




» » » » » » » Mundo vive maior crise humanitária desde 1945, alerta ONU

Secretário de assuntos humanitários destacou 'momento crítico' ao Conselho de Segurança. Sudão do Sul, Somália, Iêmen e Nigéria possivelmente enfrentarão crises de fome.
Crainça desnutrida aguarda com a mãe atendimento em hospital dos Médicos Sem Fronteiras no campo de Jamam, no Sudão do Sul (Foto: Adriane Ohanesian/Reuters)
O mundo vive atualmente a maior crise humanitária desde 1945, alertou nesta sexta-feira (10) a ONU, que voltou a enfatizar o risco de crise de fome vivido por cerca de 20 milhões de pessoas em quatro países.
"Estamos em um momento crítico da história. Já no começo do ano, enfrentamos a maior crise humanitária desde a criação das Nações Unidas", disse ao Conselho de Segurança secretário de assuntos humanitários da organização, Stephen O'Brien.
A situação, que já era considerada grave, se soma a uma possível crise de fome em quatro países -- Sudão do Sul Somália, Iêmen e o nordeste da Nigéria. Já em fevereiro, a ONU avisou que 20 milhões de pessoas já estão na situação crítica ou correm risco de entrar nela nos próximos seis meses.
A ONU só utiliza o termo crise de fome quando determinada região apresenta certos níveis de mortalidade, desnutrição e fome, situações extremas e muito pouco frequentes, com apenas cerca de dez casos registrados nas últimas três décadas.
"Sem um esforço global coletivo e coordenado, as pessoas simplesmente morrerão de fome", afirmou O'Brien, que informou ao Conselho de Segurança sobre suas recentes visitas ao Iêmen, ao Sudão do Sul e à Somália para avaliar a situação humanitária.
O representante da ONU disse que é necessária uma "injeção imediata de fundos" para atender os necessitados nesses três países e o nordeste da Nigéria.
"Para ser exato, precisamos de US$ 4,4 bilhões para julho e esse é um custo detalhado, não um número para negociar", afirmou.
Em fevereiro, a ONU tinha afirmado que era fundamental reunir essa quantia antes do fim de março.
Fontes da ONU disseram à Agência Efe que as diferentes datas respondem à dificuldade de determinar o prazo exato no qual são necessários esses US$ 4,4 bilhões, e a realidade se aproxima cada vez mais do cenário indicado hoje por O'Brien.
O dinheiro ressaltou o representante da ONU, é muito urgente para poder responder a essas crises.
Crianças comem arroz cozido em abrigo provisório de sua família em acampamento em Mogadíscio, na Somália (Foto: Feisal Omar/Reuters)
Por Agencia EFE/G1

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe um comentário