Slider

Vídeos

Postagem em destaque

Constelação familiar sistêmica: Um nome estranho, mas que pode mudar a sua vida.

O que é essa terapia que até os tribunais de justiça estão aplicando?  Sabe todas aquelas vezes em que vemos geração após geração repet...

Polícia

Politica

Educação

Esportes

Economia

Entretenimento

INVENTÁRIO DA OFERTA TURÍSTICA DE BODOCÓ-CONFIRA




» » » » » » Ponte Preta atropela o Palmeiras na etapa inicial e abre boa vantagem nas semifinais do Paulistão

Macaca aproveita começo apático do Verdão, faz três gols em 33 minutos e administra placar no segundo tempo. Time de Eduardo Baptista precisará de goleada em SP para avançar à decisão


PASSOU POR CIMA

A Ponte Preta entrou em campo como se a vida de todos os seus jogadores estivesse em jogo. O Palmeiras parecia pesado por conta de um almoço de Páscoa em família. Resultado: um atropelamento. No primeiro duelo válido pelas semifinais do Paulistão, na tarde deste domingo, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, a Ponte venceu o Palmeiras por 3 a 0 e abriu larga vantagem no confronto. Todos os gols foram marcados no primeiro tempo: Pottker logo com 40 segundos, depois Lucca aos 7 minutos e Jeferson aos 33. O atropelamento foi tão intenso que Felipe Melo chegou a dizer que a Ponte "comeu" o Palmeiras no primeiro tempo.

E a vitória poderia ser ainda maior, já que o árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza ignorou pênalti claro de Fernando Prass em Willian Pottker – uma tesoura por trás do goleiro no atacante.

E AGORA?
O jogo da volta será no próximo sábado, na arena do Palmeiras, às 19h. O Palmeiras precisará vencer por quatro gols de diferença para se classificar. Se ganhar por três, a decisão da vaga vai para os pênaltis. O critério de gol fora de casa não é levado em conta no Paulistão.


CALMA, CARAS!
O Palmeiras parecia perdido em campo. E o jogo ficou tenso, principalmente na etapa inicial. A cada dividida, muita confusão. Numa delas, Fernando Bob deixou o braço na altura do rosto de Willian, e o tempo esquentou. Até o volante Thiago Santos, que estava no banco de reservas, levou cartão amarelo por empurrar Pottker no meio da confusão. Detalhe: Thiago Santos só saiu do "bololô" à força, empurrado pelo preparador físico Omar Feitosa.

MAGIA PURA

Liderada por Willian Pottker, a Ponte mandou na partida. O atacante, aliás, merece um destaque à parte: impressionante o que tem jogado. Sua importância para a Macaca não se resume aos gols (o que já seria muita coisa, claro), mas também pela forma como lê o jogo e transita por diferentes setores do campo – ora cai pelos lados, ora volta para receber no meio-campo e fazer o papel de um armador. Já negociado com o Inter, Pottker vai fazer muita falta para a Ponte no Brasileirão. Ele é artilheiro do Paulistão com nove gols, ao lado do são-paulino Gilberto.

DESTAQUE

PRIMEIRO TEMPO

A Ponte Preta abriu o placar em sua primeira investida. Prass fez duas defesas. Na terceira finalização, de Jeferson, a bola desviou em Pottker, em posição legal, e entrou. Tudo isso com 40 segundos de jogo. A Macaca estava com fome. Aos 7, ampliou. Numa jogada que começou num lateral no campo da Ponte, todo o setor defensivo do Palmeiras dormiu, e Pottker deixou Lucca livre, na cara do gol. O atacante, que pertence ao Corinthians, não perdoou. O terceiro golpe não demorou a surgir. Aos 33, Lucca acionou Jeferson na direita. A bola estava tranquila para a defesa. Mas Zé Roberto escorregou e deixou o lateral-direito da Macaca receber com tranquilidade e bater forte, sem chance para Fernando Prass. Incrível: 3 a 0 para a Ponte, com 33 minutos de jogo.
DESTAQUE

SEGUNDO TEMPO

O Palmeiras voltou com Michel Bastos no lugar de Guerra. O ex-são-paulino entrou aberto pela direita, e Willian centralizou para ajudar Borja no combate com os zagueiros. Com o colombiano em tarde pouco inspirada (e já com cartão amarelo), Eduardo Baptista ainda lançou Alecsandro no lugar do camisa 12. Era a tentativa do "tudo ou nada", de tentar algo no abafa. Mas o Verdão nunca esteve próximo do gol. A Macaca esteve mais perto do quarto gol do que o Palmeiras do primeiro. Principalmente em jogadas de contra-ataque. Gilson Kleina, que comandou o Verdão durante a segunda passagem do time pela Série B do Campeonato Brasileiro e assumiu a Ponte em meio ao Paulistão, parecia completamente ciente de como o time do ex-ponte-pretano Eduardo Baptista se comportaria. Não havia espaço para nenhum palmeirense.



por G1/Globo Esporte

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe um comentário