Slider

Vídeos

Postagem em destaque

Constelação familiar sistêmica: Um nome estranho, mas que pode mudar a sua vida.

O que é essa terapia que até os tribunais de justiça estão aplicando?  Sabe todas aquelas vezes em que vemos geração após geração repet...

Polícia

Politica

Educação

Esportes

Economia

Entretenimento

INVENTÁRIO DA OFERTA TURÍSTICA DE BODOCÓ-CONFIRA




» » » » Justiça Federal condena três instituições de ensino no interior do Estado.


O deputado Rodrigo Novaes (PSD) informou que o Ministério Público Federal (MPF) obteve a condenação na Justiça Federal, nesta terça-feira (06/06), de três faculdades apontadas como criminosas durante a CPI das Faculdades Irregulares (Alepe), da qual foi presidente. Esta é a primeira condenação das instituições de ensino desde que o relatório do colegiado foi concluído. Foram condenados o Instituto Superior de Educação de Floresta (ISEF), a Faculdade de Desenvolvimento e Integração Regional (Fadire) e a empresa Alinne Naiany Souza Silva de Lima. O autor da ação é o procurador da República Luiz Antônio Miranda de Amorim Silva.


As unidades de ensino montaram um esquema fraudulento que lesava estudantes nos municípios de Caruaru e Chã Grande. Os alunos pertenciam aos cursos superiores de Administração, Pedagogia, Serviço Social e Gestão Ambiental, que eram ministrados pelo ISEF em parceria com a Fadire. Mas, pelo Ministério da Educação (MEC) as duas instituições eram credenciadas para oferecer os cursos apenas nas cidades sedes, Floresta (ISEF) e Santa Cruz do Capibaribe. Além disso, estas entidades emitiam de forma irregular diplomas dos cursos. A pessoa jurídica Alinne Naiany recebia o pagamento da mensalidade dos cursos irregulares. 
De acordo com o deputado, o Ministério da Educação (MEC) tem tomado todas as providências administrativamente para descredenciar as instituições envolvidas, como apontou a investigação feita pela CPI. Ele ressalta, ainda, que o MPF ajuizou várias ações com o objetivo de responsabilizar não só a pessoa jurídica como também os responsáveis pelas unidades de ensino. “Já esperava a condenação destas três faculdades. Lamento que isso não implique diretamente no ressarcimento dos alunos prejudicados.  Mas, essa providência do MPF é imprescindível para que a gente acabe com essas instituições que atuam de forma errada”, finalizou o parlamentar.
O relatório final da CPI pediu o indiciamento de 16 pessoas e sugeriu ao MPF a suspensão dos programas de extensão de 14 instituições de ensino.  A justiça condenou as instituições a pagarem R$ 500 mil por danos morais coletivos e determinou aos alunos lesados que ingressem com ações judiciais individuais. O MPF pretende recorrer para garantir a reparação a esses estudantes. 

Assessoria de Comunicação 

Foto: Henrique Genecy

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe um comentário